Quinta, 02 de julho de 2020
(61)98440-4851
Esportes

28/11/2017 ás 12h08 - atualizada em 28/11/2017 ás 14h03

275

Redação

Luzilandia / PI

Um ano da tragédia da Chapecoense
O dia a dia do time, da cidade e das famílias que perderam parentes no acidente aéreo na Colômbia
Um ano da tragédia da Chapecoense
“Aquela diretoria cuidadosa que eu conhecia desapareceu” - Ilaídes Padilha, a mãe do goleiro Danilo (Jefferson Coppola/VEJA)

Completa um ano o acidente aéreo que matou 71 pessoas na Colômbia, a maioria da comissão técnica e jogadores da Chapecoense, jornalistas e tripulação. No rastilho da tragédia de 29 de novembro do ano passado, a comoção espalhou-se em ondas por todo o mundo. A hashtag #ForçaChape e suas variantes passaram a ser reproduzidas nas redes sociais, em manchetes de jornais, em faixas, em camisas, em luminosos projetados em monumentos históricos. Na queda do avião da companhia boliviana LaMia na região montanhosa perto do Aeroporto Internacional de Medellín, na Colômbia, houve apenas seis sobreviventes. Em poucas horas, um clube pequeno da cidade catarinense de Chapecó, que voava para a sua primeira final internacional, a da Copa Sul-Americana, ganhou notoriedade que jamais conquistara, e do modo mais estúpido possível.

FONTE: Placar

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Mais lidas
© Copyright 2020 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium